O Rock Progressivo

Definição de Rock Progressivo

Existem diversas definições para o RP, e todas elas obviamente relacionam-se aos conceitos envolvidos. A palavra "progressivo" vem sendo definida como "ir em frente", por exemplo. Baseado nas características apontadas pelo jornalista Leonardo Nahoum, em sua Enciclopédia de Rock Progressivo, definimos assim o Rock Progressivo:

"Músicas de longa duração, desde os seus quatro minutos até os discos de uma única faixa; utilização e apropriação de elementos de vários estilos não comumente associados ao rock: a música folclórica (do país da banda em questão), o jazz, a música erudita (incluindo aí o clássico, o barroco, o medieval...). o blues, etc; uma maior complexidade das composições, tanto em termos de melodia quanto de arranjos e ritmo, em comparação ao que normalmente se entende por Rock. Uma busca pela experimentação e por sons exóticos, daí a importância dos teclados e sintetizadores para o estilo; uma variedade de ritmos e tonalidades dentro de uma mesma composição, gerando a tal impressão de música "difícil e/ou pretensiosa" e o rompimento com o caráter dançante do rock."

Existem diferentes categorias de Rock Progressivo?*

"Convencionalmente, sim. Existem muitos sub-gêneros, e cruzamento entre estes. Abaixo uma breve e necessariamente imcompleta descrição destes gêneros (muitos foram baseados na GERP). "

Ambient

Um estilo que as bandas de música eletrônica (contudo nem sempre eletrônica) que tentaram este formato de música eram normalmente muito experimentais. Talvez uma formas simples e mais enganosa de rock progressivo

Examplos: Eno, Laraaji, música new age.

Art

Um nome usado para referir-se aos trabalhos iniciais que tem as suas raízes no pop. Freqüentemente é mais uma atitude do que um aspecto musical propriamente dito.

Examplos: Be Bop Deluxe, Brian Eno (no início), Roxy Music

Canterbury

Uma região na Inglaterra, onde originou-se um estilo único e próprio. O nome desta região tornou-se o nome deste estilo. Uma das formas mais antigas reconhecidas como progressivo, a música de Canterbury enfatiza uma sucinta complexidade e soa extremamente Inglês. As idéias resultantes desta forma de música são bastante originais. Freqüentemente quase um jazz de uma forma suave e leve, integrando estas influências jazzísticas de forma única..

Examplos: Caravan, Soft Machine, Hatfield & The North, National Health

Rock Clássico

Mais acessíveis, bandas como The Nice empenharam-se em fundir a música clássica com as estruturas do rock. Pomposas mas frequëntemente bem sucedidas em sua época. Normalmente uma formação em trio.

Examplos: The Nice, ELP, Le Orme, Ekseption, Trace, The Trip

Progressivo Eletrônico

Erradamente categorizada como sendo new age, a maioria desta música já existia antes deste termo ser criado. Muito exploradora, este é um campo aberto e é representado pelo uso de equipamentos eletrônicos, como já diz o nome. Há uma concentração na sonoridade e na "textura" sobre e acima dos outros atributos musicais. Freqüentemente muito espacial e etérea.

Exemplos: 70's Tangerine Dream, Klaus Schulze, Steve Roach, Popol Vuh, Kit Watkins, Jean-Michel Jarre e Neuronium

Experimental/Industrial

Freqüentemente é uma música hard core experiemental, onde pode-se acontecer de tudo. Muito difícil para o recém-chegado. O uso de "barulhos", objetos, música concreta e às vezes power tools. Geralmente focalizada na textura e na sonoridade à custa do resto, tornando-se uma área fascinante para os aventureiros.

Exemplos: Einstürzende Neubauten, Nurse With Wound, Hafler Trio, Main, Coil

Fusion

Jazz-rock explorador: uma fusão como sugere o nome. Talvez um pouco mais jazz do que a maioria do rock progressivo, mas mais rock do que a maioria do jazz. Freqüentemente composto por músicos virtuosos.

Exemplos: Mahavishnu Orchestra, Brand X, Iceberg, Arti+Mestieri

Krautrock

Um leve termo usado de forma politicamente incorreta erradamente utilizado pra referir-se à forma de rock bastante estranha originado na Alemanha nos anos 70. Tipificado com um estilo bastante improvisador, solto com largas proporções de experimentação e com um "tempero" leve e caprichoso. Freqüentemente difícil de se escutar, quase sinistro e secretamente intelectual. Muito influente em diversas áreas até nos dias de hoje. Veja o guia informativo de Krautrock em:

http://progrock.net/Misc/german

Exemplos: Can, Amon Düül II, Faust, Xhol, Agitation Free, Tangerine Dream (inicial), Ash Ra Tempel

Progressivo Neo-Clássico

Música que mistura a música clássica do século 20 com as novas estruturas do rock. Às vezes referenciado como "rock de câmara", pode ser de difícil apreciação já que primeiramente os artistas desta espécie estavam direcionados e eram muito diferentes. Além disto, tende a ser muito complexo, exigindo muitas audições para formar uma opinião.

Exemplos: Univers Zero, Art Zoyd, ZNR

Neo-Progressivo

Rock sinfônico feito em um formato simplificado muito utilizado pelas bandas surgidas nos anos 80 do século XX na Inglaterra. Freqüentemente rico e melódico e por vezes contendo a complexidade do tradicional rock progressivo, o termo neo-prog é erroneamente utilizado pelo mercado para caracterizar qualquer banda que faça um som mais acessível.

Exemplos: Marillion, iQ, Pendragon, Twelfth Night, Aragon, Jadis, Grey Lady Down

Folk Progressivo

Variação de uma música que pega simples canções folk e faz algo bastante novo com ela. Ha várias formas de se fazer isto.

Exemplos: Emtidi, Witthüser & Westrupp, Malicorne, Mellow Candle

Metal Progressivo

Heavy metal influenciado pelo rock sinfônico ou fusion. Normalmente é bem mais complexo do que o metal comum, enfatizando a virtuosidade dos músicos.

Exemplos: Dream Theater, Fates Warning, Watchtower, Siege's Even, Cynic, Atheist

Rock In Opposition (RIO) - Rock Em Oposição

Um nome cunhado pelo ex-baterista da banda Henry Cow, Chris Cutler. Este tipo de música consistentemente oposiciona-se à categorização (com exceção para o "RIO") e é extremamente desafiador e freqüentemente de difícil audição. Contudo, é bastante recompensador no decorrer do tempo; sendo que as letras estão propensas à política. Tecnicamente, bandas como Art Zoyd e Univers Zero são RIO já que elas foram subscritas para o Cutlers (ampla música étnica em sua concepção original. Contudo, o trabalho superou sua conotação política original e agora é usada para referir-se à artistas retratando uma aproximação com o Henry Cow inicial, a banda principal de RIO. Para maiores referências consulte:

http://www.panix.com/~zampino/rer/ e http://www.universmusic.jor.br

Exemplos: Henry Cow, Art Bears, Samla Mammas Manna, News From Babel, Thinking Plague, Etron Fou Leloublan etc.

Fusion Espacial (Space Fusion)

Um termo grosseiro para especificar a banda Gong pelo seu estilo único de jazz fusion e ambientação.Bastante enérgico e concentrado em logas improvisações com solos de matizes psicodélicas.

Exemplos: Gong, Ozric Tentacles, Neo, Carpe Diem, alguns trabalhos do Djam Karet

Rock Espacial (Space Rock)

Como o anterior mas sem a abordagem jazz, mais direcionado a um tipo avançado de rock espacial.

Exemplos: Hawkwind, Amon Düll (inglês)

Progressivo Sinfônico

Caracterizado pela riqueza de teclados/sintetizadores, vocais bastante melódicos e estruturada sobre trechos de música clássica, com arranjos direcionados para o rock instrumental, ultrapassando os limites do formato comum do rock. Se alguém ridicularizar o rock progressivo, este é quase sempre o estilo que eles estarão se referindo. Você poderá ouvir com freqüência este gênero sendo erradamente usado como sinônimo para todo o rock progressivo e chamado de "pretensioso" ou "excessivo".

Exemplos: Yes (início), Genesis (início), Camel, Atoll, Mirthrandir, Änglagård

Zeuhl

Termo utilizado para referir-se a uma forma particular de jazz fusion, às vezes com grande influência de Coltrane mas adotando a linguagem grandiosa e harmônica de certos trabalhos clássicos.

Exemplos: Magma, Weidorje, Zao, Shub-Niggurath, Honeyelk, Musique

1 Audições:

O Blog realmente é muito bem escrito e organizado com post de muito bom gosto, agora poderia ser um blog para brasileiro ler afinal(nem todo brasileiro ler ou fala inglês)não podemos esquecer que estamos no Brasil mesmo porque as o mundo deveria ter a mesma preocupação em traduzir ou aprender a nossa lingua. Já que o inglês è universal quando não se sabe o mesmo se traduz,porque a resenha do "Rock Progressivo" não esta em inglês?
Com certeza o Blog teria muito mas comentários sendo em nossa ligua natal.(Português)
Não aceite o meu comentário como uma "critica ou elogio" eu estou apenas colocando uma opnião como visitante e Brasileiro que sou.
Parabéns pelo belo trabalho realizado aqui no seu Blog.
MTB Rocksession!

16 de agosto de 2008 09:05  

Postagem mais recente Página inicial